quinta-feira, 12 de setembro de 2013

Applause for the Entertainment

No dia 19 de agosto, Lady Gaga lançou o clipe do primeiro single do seu aguardado álbum ARTPOP.
A sonoridade da nova música representou uma inovação no trabalho da mother monster e foi classificada como “experimental” por alguns jornalistas e resenhistas da rede. Tratando-se de Lady Gaga, creio que Applause possa mesmo ser caracterizada como uma faixa de sonoridade experimental, pois os hits que ela emplacou nos álbuns The Fame, The Fame Monster e Born this way, caíam quase sempre na mesma receita do pop americano tradicional (vejam bem, não coloco em questão a qualidade dos hits antigos, apenas a forma um pouco óbvia de construção das músicas e a sonoridade, que reviveram muitas vezes elementos característicos da dance music dos anos 90).
Acontece que Lady Gaga, como artista, tem algo de singular: suas performances. Já vimos ela aparecer seguidas vezes de maiô e com a cara tampada, vestida de carne, com cabelo amarelo ovo e calçando sapatos que mal serviam para caminhar. A onda "dirty-crazy-over fashion" parece ter marcado The Fame e The Fame Monster. Em Born this way, o glam rock ganhou espaço, o lado monster aflorou ainda mais: vimos muito couro, spikes, cabelo loiro e preto juntos, cabelo azul, elementos que imitavam implantes subcutâneos, etc.

Imagem 01
Imagem 02
Imagem 03
Imagem 04
Imagem 05

Então chegou Applause (o arauto de ARTPOP) e apresentou uma ligeira mudança na performance de Lady Gaga.
No clipe do single, temos dois cenários essenciais: um colchão numa sala escura, onde uma Lady Gaga morena e de lingerie parece sonhar em ser artista enquanto treina uma coreografia; e um palco ornamentado nas laterais com desenhos geométricos triangulares, cenário este que se repete em muitas cenas.

A maior parte do clipe tem cenas em preto e branco, onde Gaga veste um collant preto e tem os cabelos cobertos por uma touca preta. Nada de maquiagens monstruosas. Lady Gaga está crua, como a artista Stefani Germanotta; e crua, dessa maneira, ela é como uma tela em branco, capaz de receber todo tipo de arte. Esse foi o conceito, na minha opinião, utilizado por ela em sua apresentação no VMA 2013. Trocando roupas e perucas no palco, Lady Gaga assumiu diversas “personas” comuns a quem acompanhou a carreira da cantora até agora. Partiu do cru, do neutro, para a diversidade. Aliás, no início da apresentação, Gaga parecia mesmo estar incorporando uma tela em branco.

Clique na imagem para ser redirecionado ao site da MTV
e assistir à apresentação de Lady Gaga no VMA 2013.

Ainda sobre o clipe de Applause, Lady Gaga faz uma clara homenagem ao artista como ofício, que tem no aplauso do público o maior reconhecimento do seu trabalho. A mother monster utiliza elementos simbólicos da cultura do entretenimento para essa homenagem: aparece com maquiagem de pierrô; como a Vênus de Botticelli; voando sobre o palco com asas (o que, para alguns resenhistas da rede, é uma representação do Kinnari, ser celestial metade pássaro e metade mulher, conhecido por sua habilidade musical e de dança); incorpora o cisne negro, do Lago dos Cisnes; aparece saindo de uma cartola e presa numa gaiola (o que pode remeter aos circos dos horrores ou feiras de vaudeville, símbolos da cultura do entretenimento popular do início do século XX).

 
http://www.youtube.com/LadyGagaVEVO

Além disso, em outro momento do clipe de Applause, a cantora caminha por um túnel iluminado carregando um buquê de flores, costume ligado ao prestígio do artista, que recebe flores após o fim do espetáculo. O buquê tem o formato de uma perna, o que pode ter relação com a expressão “break a leg”, muito utilizada no teatro para desejar sorte a quem entra em cena. Além disso, o buquê aparenta ser algo pesado e o semblante de Gaga ao carregá-lo sugere melancolia. É possível relacionar esse fator com a questão da responsabilidade do entretenimento com o desejo do público. A responsabilidade é com a satisfação do desejo do outro e o reconhecimento muitas vezes só acontece quando essa satisfação é alcançada. O artista do entretenimento e os seus desejos pessoais muitas vezes ficam eclipsados pelo dever/desejo de agradar o público e ser prestigiado. Essa questão foi explorada por Lady Gaga no teaser de Applause, onde ela é criticada e vaiada. Isso também aparece no início da sua apresentação no VMA.

http://www.youtube.com/ladygagaofficial

ARTPOP, no geral, parece trazer esses temas de maneira bem expressiva. Lady Gaga parece ter feito um álbum bem do jeito que lhe deu na telha, um álbum que coloca em questão a arte, o entretenimento, o artista e o público. Mas isso não ocorre de maneira explícita. Quero dizer, não creio que Lady Gaga vá cantar essas questões em todas as letras do álbum, mas acredito que isso perpassará o seu trabalho durante a promoção de ARTPOP. Afinal, ela mesma chegou a afirmar que esse álbum teria um grande senso de irresponsabilidade.
O lyric video de Applause, por exemplo, é um indício da temática do entretenimento. Lady Gaga adentrou o universo das dreg queens e travestis e registrou suas performances, sempre bem expressivas.

http://www.youtube.com/LadyGagaVEVO

Outro exemplo da inovação no trabalho da mother monster foi sua apresentação no iTunes Festival. Nesse show, ela pode subverter tudo (ou quase tudo) o que os little monsters esperavam dela e estavam acostumados a receber.
Com maquiagem simples, poucas perucas (e bem menos coloridas) e usando figurinos muito simples como malhas e collants pretos, camiseta branca, ou apenas de lingerie, Gaga apresentou suas novas músicas. Com sonoridade diversificada, elas possibilitaram a Lady Gaga demonstrar versatilidade no palco.
Durante a execução da música Swine, a mother monster apresenta uma performance da qual não participa diretamente: o seu balé é o centro do espetáculo, enquanto ela toca teclado e bateria ao fundo.

http://www.youtube.com/BestViralNews10

O momento ARTPOP de Lady Gaga, com toda essa temática metalinguística do entretenimento, me despertou um saudosismo de algo quase recente. Falo do álbum Entertainment (2009), do duo novaiorquino Fischerspooner.

Imagem 06
O Fischerspooner sempre foi marcado por apresentações altamente performáticas. E no álbum supracitado, essas performances adquiriram ainda mais a força da temática do entretenimento. Os figurinos do vocalista e do balé eram constituídos de diversos elementos conflitantes de indumentária, como paletós e meias esportivas, roupas de bailarina e capacetes de motociclista. As araras de troca de roupa muitas vezes apareciam no próprio palco. Algumas vezes as bailarinas não dançavam exatamente em sincronia. O lúdico, o descompromissado, o improviso se faziam presentes com elementos físicos, não eram invisíveis. A luminária que Cassey Spooner usava na cabeça era sensacional. O cenário inteiramente de lâmpadas de We are electric pode ter servido de inspiração para a inscrição de Applause no palco do VMA 2013, também feito de lâmpadas. O figurino de Cassey com touca preta e camiseta branca em The best revenge (e a própria aura de backstage do clipe) também representa toda essa temática do entretenimento que pude identificar no recente trabalho de Lady Gaga.

http://www.youtube.com/subvoyant

Ocorre que Entertainment foi o álbum menos prestigiado do Fischerspooner e chegou a receber sérias críticas. Na minha opinião, é o álbum mais coerente (levando em consideração músicas, trabalho gráfico, conceitos estéticos dos clipes, etc...). Resta saber se os little monsters de Gaga estão preparados para serem instigados de uma maneira diferente da que foram nos primeiros álbuns. E se Lady Gaga realmente continuará por esse caminho. Afirmo que prefiro o caminho que parece estar se estruturando no trabalho de ARTPOP do que as estratégias dos álbuns anteriores, mas creio que, caso essas inovações na música pop não sejam bem recebidas, Gaga poderá sair pela tangente e voltar a explorar os mesmos elementos de antes. Seria uma pena, mas é fato que existe uma pressão mercadológica quando falamos de música pop. E claro que as pessoas tem muito mais predisposição em aceitar o mesmo, o mesmo e o mesmo.
  

Thales Estefani é formado em Comunicação Social pela UFRJ e atua principalmente com comunicação visual, artes gráficas e produção editorial.



Imagens (registro em 30/09/2013 às 03:35):
01 - Lady Gaga interprétant Love Game lors de sa première tournée The Fame Ball Tour. Via Wikipedia.
02 - Lady Gaga Monster Ball by ~sailorfirestar, via DeviantArt.
03 - Lady Gaga - Bad Romance by ~sailorfirestar, via DeviantArt.
04 - © 2011 Tony Felgueiras. Alguns direitos reservados, via Flickr.
05 - Lady Gaga - Marry The Night 3 by ~CdCoversCreations, via DeviantArt.
06 -  Entertainment (album). Via Wikipedia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário